Comissão de Ética julga na próxima semana processo de cassação de Luis Argolo

A Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados adiou para a próxima terça-feira (28), a votação do parecer em que o relator Marco Rogério (PDT-RO) pede a cassação do mandato do deputado Luiz Argolo (SD-BA) que estava prevista para hoje (22).

Argolo é investigado por denúncias de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Trechos de conversas entre o deputado e o doleiro divulgados por jornais e revistas indicam a existência de negócios ilícitos envolvendo os dois, como lavagem de dinheiro.

Este  foi o segundo adiamento da votação do parecer de Marcos Rogério, que propõe a cassação do mandato de Argolo (SD-BA) por quebra de decoro parlamentar.

Na semana passada, um pedido de vista coletivo dos deputados Sérgio Brito (PSD-BA), Wladimir Costa (SD-PA) e Pastor Eurico (PSB-PE) transferiu a votação para esta quarta-feira.

Desta vez, a decisão foi motivada pela ausência da maioria dos parlamentares, envolvidos com a disputa eleitoral do segundo turno.

Na próxima terça-feira, a Comissão de Ética também discutirá o parecer preliminar do deputado Paulo Freire (PR-SP), relator do processo contra o deputado Rodrigo Bethlem (PMDB-RJ).

A representação contra Bethlem foi apresentada no início de agosto pelo PSOL, que acusa o deputado de desvio de recursos.

Ex-secretário municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, Bethlem é acusado de receber dinheiro para beneficiar a organização não governamental (ONG) Casa Espírita Tesloo, entre 2010 e 2012.

Comentários

comentários