Aumento dos blocos sem corda ajudou na diminuição da violência, aponta secretário

Com informações do Metro1 ( Foto: Reprodução)

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) registrou, desde o Carnaval 2016 até este terceiro dia de festa em 2018, uma redução significativa no volume de atendimentos diretamente ligados à folia. O número caiu neste período de 1.471 para 1.030 nos primeiros momentos da festa. Para o secretário municipal de Saúde, José Antônio Rodrigues Alves, essa queda se deve ao trabalho conjunto realizado pelos órgãos de fiscalização da Prefeitura com o apoio da polícia, além do aumento dos blocos sem corda.

“Por isso essa queda significativa no número de atendimentos, principalmente nos últimos três anos. E o fato de haver mais atrações sem corda evita maiores atritos com a polícia, cordeiros ou foliões, resultando na diminuição dos casos de agressão física. Isso também foi reforçado pela presença dos portais de revista nas principais entradas para os circuitos da festa, diminuindo o risco para o folião na rua, permitindo uma convivência mais pacífica, disciplinando o Carnaval”, disse o secretário.

Entre a última quarta-feira (7) e este sábado (10), foram realizados 1.030 atendimentos na área da saúde, o que representa redução de 14,2% em relação à 2017. O circuito Barra/Ondina (Dodô) realizou 727 atendimentos, o Campo grande (Osmar) teve 286 e o Batatinha (Pelourinho), 17. Houve redução de atendimento nos postos do circuito em relação a 2017, de 17,1%, 8,6% e 54,5% respectivamente.

A maioria dos módulos apresentaram reduções no quantitativo de atendimentos em relação a 2017. Não há registro de atendimentos por projetil de arma de fogo, e houve diminuição do número de agressões físicas em 18,6%. Foram transferidos 35 pacientes, o que corresponde a 3,4%.

Comentários

comentários