São F. do Conde: Implantação de usina termelétrica é discutida em audiência pública

A implantação da Usina Termelétrica Global VII em São Francisco do Conde, na região metropolitana de Salvador, foi discutido em uma audiência pública realizada nesta quinta-feira (12), na Câmara de Vereadores. Na audiência, foram apresentados o projeto de construção e produção de energia e o relatório dos impactos ambientais na região. A Usina Termelétrica Global VII será no seguimento de suprimento a gás natural importado (GNL) e contará com três turbinas a gás, três caldeiras de recuperação de calor, uma turbina a vapor, além de gerador elétrico, em cada turbina; transformador, torre de refrigeramento e condensador.

O projeto prevê a retirada da vegetação, afugentamento da fauna, alteração no nível do ruído (barulho), alteração na qualidade do ar, trânsito intenso de veículos, geração de resíduos (lixos) e efluentes líquidos (esgotos). Com a implantação, a Usina prevê também a geração de 2.000 empregos diretos e 6.000 indiretos, aumento na arrecadação tributária e da oferta de energia elétrica, além implementação de 21 programas socioambientais voltados às obras civis e de conservação ambiental.

Participam do encontro o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) e representantes da Global Participações em Energia S/A e da Prefeitura de São Francisco do Conde.  “Essa audiência pública é uma das etapas mais importantes na construção desse projeto, pois é um momento que podemos discutir sobre os impactos ambientais e econômicos que uma empresa, com esse nível de tecnologia, que irá ser implantado no nosso município, irá trazer. É o momento de debater, esclarecer todas as dúvidas, trazer todos os questionamentos relativos às questões ambientais e de empregabilidade e os munícipes precisam conhecer o projeto”, declarou secretária de Desenvolvimento Econômico do município, Ana Christina Oliveira.

A usina será construída em uma área localizada na região da Refinaria Landulpho Alves – Mataripe, próximo à UPGN que recebe gás do TGNL/BA.

Comentários

comentários