Aumento do Judiciário ainda tem que passar pelo Congresso, diz Temer

    Com informações do Estadão

    Brasília - O presidente Michel Temer discursa na solenidade de sanção do Projeto de Lei que cria a Universidade Federal do Delta do Parnaíba e a Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (Valter Campanato/Agência Brasil)

    O presidente da República, Michel Temer, esquivou-se, nesta sexta-feira, 10, de dar sua opinião sobre o reajuste salarial de 16,38% pleiteado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal. “Isso ainda terá que ser votado pelo Congresso. Se chegar até mim, eu vou analisar”, disse a jornalistas após participar de um evento do programa Minha Casa Minha Vida em Goiânia.

    Na última quarta-feira, 8, o STF aprovou a inclusão do reajuste no salário dos próprios ministros na proposta orçamentária a ser encaminhada ao Ministério do Planejamento.

    Considerado o teto do funcionalismo público, a remuneração atual dos ministros do STF é de R$ 33.763,00 e pode subir para R$ 39.293,32, um aumento de R$ 5,5 mil.

    O impacto estimado do reajuste é de R$ 2,77 milhões para o STF e um efeito cascata de R$ 717,1 milhões só para o Poder Judiciário, com impacto em todos os poderes.

    Apesar de estar incluso na proposta orçamentária da Corte, o reajuste salarial ainda precisa ser aprovado pelo Senado Federal (o projeto de lei já recebeu aval da Câmara) e sancionado pelo presidente Michel Temer para entrar em vigor.

    Eleições

    Temer elogiou a participação do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles no debate entre os presidenciáveis realizado pela TV Bandeirantes na quinta, 9. “Ele foi bem, muito bem”, respondeu.

    Meirelles é candidato à Presidência pelo MDB e, apesar de ser do mesmo partido de Temer, tem evitado levar para a sua campanha a marca do presidente, que possui uma das maiores rejeições da história.

    Comentários

    comentários