Candidaturas de militares crescem nas eleições deste ano

Com informações do BN

Rio de Janeiro - Tropas de segurança do exército participam de operação de blitz, na região do Complexo Esportivo de Deodoro, como treino de segurança para os jogos olímpicos Rio 2016 (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Mais de 960 candidatos militares disputam as eleições neste ano. Com propostas ligadas à lei e à ordem, como segurança pública e combate à corrupção, na lista de concorrentes, estão os presidenciáveis o capitão da reserva do Exército Jair Bolsonaro (PSL) e Cabo Daciolo (Patriota), do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro. Do total, 575 são policiais militares, 202 são das Forças Armadas, 88 estão na reserva e 96 são do Corpo de Bombeiros.

Em 2014, 765 militares concorreram às eleições, um número 194 menor em comparação à disputa deste ano. Para o cientista político da Universidade de Brasília ouvido pela Agência  Brasil, Lúcio Rennó, apesar de não ter ocorrido um crescimento expressivo, há um desejo do eleitorado de resolver problemas do seu cotidiano e que, por vezes, estão entre as habilidades dos militares.

“Há uma sensação de medo no país todo. Até em locais onde a incidência oficial de crimes é relativamente baixa, o medo é alto, então esse tema favorece muito a uma retórica de combate ao crime e, nesse sentido, os militares em geral são favorecidos”, avaliou Rennó.

O cientista político ressaltou que a presença de candidaturas de 178 policiais civis é associada aos mesmos anseios que ligam o eleitorado aos nomes de militares das Forças Armadas, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.

Comentários

comentários