“As pessoas precisam saber dos impactos positivos do BRT”, diz secretário de Cidade Sustentável de Salvador

Baiana FM - Nailan Brasil

Em entrevista ao Baiana no Ar, da noite desta sexta-feira (9), o secretário de Cidade Sustentável e Inovação de Salvador (Secis), André Fraga, disse que as pessoas precisam conhecer mais a proposta da obra do Bus Rapid Transit (BRT) – Sistema de Transporte em Massa. Segundo ele, moradores, urbanistas e ambientalistas devem observar as compensações que a prefeitura vai fazer nos lugares em que o sistema passar. “Realmente, haverá a necessidade de supressão de 154 árvores de um local, porém, no trecho ao longo do BRT, mais de 1.400 serão plantadas”, afirmou ele, assegurando que os estudos feitos nas cidades que já implantaram o transporte mostraram um nível de poluição menor em comparação ao tempo em que não tinham.

O secretario informou que a pasta realizará outros projetos ao longo de 2019. A entrega do Centro de Convenções também é outra obra de grande expectativa. “Vamos cumprir o prazo, Salvador não pode ficar sem um centro. Um estudo feito pela Secult comprovou que perdemos cerca de um bilhão de reais sem o Centro de Convenções”, contou.

A respeito dos parques operados pela prefeitura, Fraga explicou que são o Parque da Cidade, o Jardim Botânico e o Parque das Dunas. “O Parque da Cidade é o principal equipamento público de área verde da cidade. Conseguimos organizar ele, que reúne vários bairros, onde todo mundo usa, agora. Quebramos o muro que bloqueava o bairro da Santa Cruz e colocamos um portal novo. Fizemos uma integração e há meses em que o local é visitado por quase 100 mil pessoas”, apontou.

Inovação

Para o secretário, Salvador está caminhando para se tornar uma cidade sustentável. “É um caminho longo, mas estamos rumo à essa realidade. O IPTU verde, por exemplo, é um programa de referência internacional. As pessoas que economizarem recursos naturais como a captação de água de chuva ou fizerem o aproveitamento de iluminação natural terão descontos no imposto que podem chegar até 10 por cento”, explicou.

Comentários

comentários