‘Tiveram que trocar fralda em mim’, revela Susana Vieira sobre luta contra Leucemia

Com informações do BN/Foto: reprodução- TV Globo

A atriz Susana Vieira deu a primeira entrevista falando da luta contra a leucemia há pelo menos três anos. A veterana recebeu a equipe do “Fantástico” em sua casa e desabafou. “Primeira pergunta que fiz pra ele foi: Eu vou morrer? Quando?”, disse a beldade dizendo que o doutor respondeu que ela iria morrer, mas não necessariamente dessa doença.

“Eu vou perder o meu cabelo? Se eu conto para as pessoas isso pode parecer vulgaridade, porque a gente é mulher e cabelo é importante pra nós”, afirmou a atriz que antecipou como leva a vida desde que descobriu a leucemia. “O que eu não posso fazer? Eu posso levar uma vida comum. No momento que a imunidade baixar, você terá que fazer quimioterapia”, contou.

Susana descobriu a doença antes de fazer a novela “A Regra do Jogo”, de João Emanuel Carneiro. “Eu fiz a dona daquele morro, aí fui fazer 1 ano inteiro do ‘Vídeo Show’. Aquilo foi outra terapia. E eu fiz o seriado ‘Os Dias Eram Assim’, isso tudo com a doença. Fui pra Miami para ver meus netos, peguei um resfriado que quando cheguei aqui não conseguia subir a escada da minha casa. Aí tive que ficar no CTI durante quase 10 dias”.

Em outro momento, ela falou de uma das situações mais difíceis do processo. “Tiveram que trocar fralda em mim, porque que eu não podia levantar. Quando eu me vi tão dona de mim, a Susana Vieira com uma enfermeira tendo que trocar minha fralda, porque eu não podia me levantar, isso foi muito pesado. Aí bateu! Aí você vê que está doente”.

Por fim, falou o motivo de ter escondido por tanto tempo que estava doente: “Bom, eu acho que quando você fica doente, todos nós que somos produtivos, existe um medo de ficar dependente, de você precisar de pessoas para te conduzir, existe medo do desemprego, existe medo da solidão. Existe a vergonha de você ficar doente. Eu batia no peito que eu tinha saúde. Eu tenho pavor de morrer, acho que se a morte chegar eu vou esbofetear”.

Comentários

comentários