Salvador vira 2º destino mais procurado por brasileiros no Réveillon

Com informações do Correio da Bahia ( Foto: Reprodução)

0

A Cidade era 4ª colocada em 2016; ultrapassou Miami (EUA) e Fortaleza
Salvador virou “trend”, Miami ficou “last season”. Não entendeu nada? Pois, em 2017, os brasileiros estão preferindo viajar para passar o Réveillon na capital baiana, em vez da cidade na Flórida (EUA). Enquanto Miami caiu do primeiro para o terceiro lugar no ranking dos destinos mais desejados para o Ano-Novo, Salvador passou da quarta posição, em 2016, para a segunda – só perdendo para o Rio.

Os dados são de um levantamento do buscador de viagens Kayak, sobre o período entre 25 de dezembro deste ano e 7 de janeiro de 2018. A pesquisa foi feita em 25 de setembro. De acordo com o country manager do Kayak no Brasil, Eduardo Fleury, o crescimento de Salvador não é isolado.

“Na maioria das vezes, a gente tem um cenário onde não consegue identificar na plataforma os motivos (que podem ter levado ao aumento), mas, em conversas com o mercado, pode supor que está dentro de um contexto do declínio dos destinos internacionais e aumento dos nacionais”, afirma.

Além disso, ele destaca que Salvador está sendo fortalecida como destino “de praia”. Ou seja, entre tantas opções no Nordeste, a cidade está ganhando destaque em relação às concorrentes para os brasileiros que querem passar o fim de ano curtindo um sol.

Praia, virada e Carnaval
No Kayak, os picos de procura por Salvador acontecem em junho e, principalmente, em novembro – são os momentos apontados como “pré-férias”. Em novembro, ainda há o impulso das promoções e descontos da Black Friday.

“Vemos que um grande trabalho tem sido feito para valorizar o Carnaval de Salvador e fechar essa temporada incluindo o Réveillon, que as pessoas têm realmente considerado passar em Salvador”, completa Fleury. Um dos reflexos disso é que, embora a empresa não divulgue números brutos, a busca por Salvador aumentou mais de 50% em 2016 em relação a 2015.

Quem vai aproveitar bem a estadia é a estudante de Artes Cênicas carioca Paula Grazyelle, 20 anos. Ela já passa o Réveillon em Salvador há seis anos. “Na maioria das vezes, eu fico de dezembro até fevereiro. Eu gostei bastante dos dois últimos réveillons, prefiro o de Salvador ao do Rio porque acho que em Salvador não tem muita segregação de público. As festas são voltadas também para quem não tem muito poder aquisitivo”, diz.

O presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), Isaac Edington, afirma que o crescimento é fruto de um investimento da prefeitura feito desde 2013 para fortalecer a plataforma de eventos da cidade, buscando o desenvolvimento do turismo na cidade.

Uma das apostas é o Festival Virada Salvador, que espera receber 2 milhões de pessoas e, em cinco dias, de 28 de dezembro deste ano até 1º de janeiro de 2018, com 70 horas de música na orla da Boca do Rio. Em 2016, o evento fez com que a ocupação hoteleira alcançasse 95%, número maior que o registrado no Carnaval – 93%.

Quem com certeza vem para a vesta é um grupo de cinco amigas catarinenses. A estudante Sáskia Teixeira, 23, que mora em Florianópolis, está há dois meses se planejando com as amigas. “Vai ser a minha primeira vez, mas estou muito animada, porque sempre quis conhecer a cidade. Escolhemos Salvador principalmente porque o nosso grupo é fã da Ivete e ama axé e a Bahia”, conta.

“Hoje, o Réveillon é o segundo produto da cidade, ficando atrás apenas do Carnaval. E, este ano, nós estamos trazendo ele ainda mais atrativo, com um formato de festival, com uma festa pública com estrutura e grade de festa privada e em um local que tem capacidade para atrair ainda mais pessoas”, destaca Isaac.

“É importante que tenhamos picos, mas nós não vendemos apenas um evento, nós vendemos a cidade. Por isso que criamos a Maratona, que já é o nosso terceiro produto. Em novembro, nós já lançaremos a de 2018 com um potencial ainda maior”, comemora Edington.

Comentários

comentários