Lídice da Mata rejeita posto de presidenciável do PSB

Com informações do Estadão/ Foto: Roberto Vianna/Assessoria de Lídice da Mata

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) descartou, em entrevista ao Estado, a possibilidade de ser candidata à Presidência da República nas eleições 2018. Ela reafirmou sua pré-candidatura ao posto de deputada federal, lançada após ser excluída pelo PT da chapa majoritária do governador da Bahia, Rui Costa (PT), pré-candidato à reeleição.

A hipótese de uma candidatura própria do PSB, que vinha sendo defendida internamente no partido por figuras como o governador de São Paulo, Márcio França, era tida por uma ala da legenda como forma de vencer as divergências sobre quem apoiar na corrida presidencial. Atualmente, o PSB se divide entre liberar os diretórios para alianças regionais, apoiar o presidenciável do PDT, Ciro Gomes, ou seguir ao lado do PT, que mantém a pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato. Convidada por França para ocupar o posto de presidenciável do partido, Lídice informou ao governador que não aceita a proposta.

Para ela, o PSB “não tem uma liderança que possa intervir de fato no processo eleitoral” e, portanto, “deve sentar com outros partidos (para conversar), num caminho de centro-esquerda”. Além do nome de Lídice, também são considerados possíveis pré-candidatos do partido ao Palácio do Planalto nomes como o do ex-deputado Beto Albuquerque (RS), do deputado Júlio Delgado (MG) e da viúva do ex-governador Eduardo Campos, Renata Campos. Todos, além de Lídice, são considerados capazes de “unificar o partido”. Assim como o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, a senadora baiana se posicionou contra uma possível declaração de neutralidade do partido na eleição presidencial.

Essa tese, que ganhou força após as divergências internas da sigla virem a público, chegou a ser citada em entrevistas ao Estado e à Rádio Eldorado pelo deputado Júlio Delgado, vice-líder do partido na Câmara, e pelo prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda. “O partido deveria tentar apoiar uma candidatura sim, com o perfil que o congresso do partido indicou: uma candidatura de centro-esquerda, contra as privatizações em curso no governo Temer”, afirmou Lídice ao Estado, na noite desta quinta-feira, 26, confirmando que rejeitou ser presidenciável após consultar correligionários dela na Bahia. “É uma honra o convite, mas concluímos que não é o melhor momento, que não nos preparamos para isso”, disse. A senadora baiana evitou criticar o ex-ministro pedetista Ciro Gomes pelo fato de ele ter conversado com o Centrão – bloco composto por DEM, PR, PRB, PP e Solidariedade. “Talvez ele tenha exagerado nos acenos feitos, mas isso passa. Ciro continua a ser um nome a ser respeitado pela centro-esquerda no Brasil”, defendeu.

Comentários

comentários