Estabelecimento comercial e residencias são flagradas com gato de água

Foto: Divulgação- Embasa

Um mercado e três residências localizadas em Paripe foram flagradas pela Embasa com ligação clandestina de água. Na operação, técnicos da Embasa, acompanhados de policiais civis, militares e do Departamento de Polícia Técnica, verificaram que no local havia uma reabertura indevida da ligação, que foi cortada em abril deste ano por falta de pagamento.

De acordo com a Embasa, a conta do estabelecimento comercial está inativa e possui 54 contas em aberto e um débito de R$ 6.716,87. “A fraude foi retirada. O valor da multa a ser aplicada será de R$ 5.738,65, considerando o consumo mensal estimado em 30 mil litros de água”, calculou a gerente comercial da Embasa, Luzivane Cunha.

O responsável pelos imóveis não foi encontrado no momento da operação, mas será intimado a depor na 5ª Delegacia Territorial de Policia, no bairro de Praia Grande.

Crime contra o patrimônio

O furto de água é qualificado como crime contra o patrimônio, de acordo com o artigo 155 do Código Penal Brasileiro, cujo parágrafo 3º, ao tratar de furtos, equipara “à coisa móvel a energia elétrica ou qualquer outra que tenha valor econômico”. A pena prevista na lei é reclusão de um a quatro anos e multa.

Comentários

comentários