Temer oferece jantar para 14 governadores e ministros

Com informações do Estadão/Foto: Foto: André Dusek / Estadão

0

O presidente Michel Temer quer dar uma demonstração de força no jantar desta terça-feira (13), com governadores, no Palácio da Alvorada, após o PSDB decidir permanecer na equipe e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter evitado a cassação de seu mandato. Quatorze governadores e cinco vices estão presentes ao encontro com Temer, que também conta com a participação dos ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Dyogo Oliveira (Planejamento), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), além do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

No jantar, o presidente deve acenar com o atendimento de antigas reivindicações, como a regulamentação do refinanciamento de R$ 50,5 bilhões em dívidas dos Estados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a retomada do projeto que permite ao setor público vender créditos de dívidas parceladas por contribuintes. Com a chamada “securitização” dos débitos, os governadores terão mais dinheiro em caixa, a 1 ano e 4 meses das eleições de 2018. O Planalto, por sua vez, espera como recompensa que alguns deles – como Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo – atuem para que as bancadas de seus partidos ajudem a impedir, no plenário da Câmara, a possível denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer. O governo precisa do apoio de 172 dos 513 deputados para barrar a abertura do processo.

Além disso, o Planalto quer a ajuda dos governadores para aprovar as reformas trabalhista e da Previdência. As mudanças nos benefícios do Instituto Nacional do Seguro Nacional (INSS) são consideradas “fundamentais” pela equipe econômica para a retomada do desenvolvimento, mas sofrem muitas resistências no Congresso, ainda mais agora, após o agravamento da crise. Na lista dos governadores de partidos de oposição presentes ao jantar com Temer estão Fernando Pimentel, de Minas Gerais; Tião Viana, do Acre; Camilo Santana, do Ceará, e Wellington Dias, do Piauí, todos filiados ao PT.

Comentários

comentários