Prefeito recua sobre vacinação de 50% da população em junho e fala em situação financeira “delicadíssima”

No dia 5 de maio, em entrevista coletiva, o prefeito Bruno Reis estimava que conseguiria vacinar 50% da população alvo em Salvador (de 18 anos para cima) até o mês de junho.

Nesta terça-feira (11), cinco dias depois, mudou o discurso. “Tínhamos uma planilha, apresentada pelo secretário executivo do Ministério da Saúde, com um total de doses previstas para todo o Brasil, em maio, de 46 milhões. E em junho de 56 milhões. Mas agora já sabemos que o Ministério da Saúde confirmou uma redução de 12 milhões de doses. Isso impacta diretamente Salvador”, afirmou.

A frustração de expectativa é grave não apenas do ponto de vista sanitário. As contas públicas municipais também estão fortemente afetadas, declarou o prefeito. “A luz que era amarela se torna vermelha em relação as finanças”, afirmou, antes de completar que não vai ter condições de manter os cinco hospitais de campanha funcionando se, até junho, a vacinação não acelerar.  Os cinco hospitais municipais de Salvador são: Santa Clara, Hospital Salvador, Itaigara Memorial, Sagrada Família e o hospital de campanha de Itapuã.

“Também não vamos conseguir manter as políticas públicas, como tem hoje. A situação do cofre público da cidade está delicadíssima e estamos mantendo tudo sem ajuda do governo federal”, afirmou. Entre as políticas públicas municipais está a doação de cesta básica, os auxílios sociais, reforço nas UPAS e a operação vacinação.

Metro 1

Comentários

comentários