Casos de Covid-19 passam dos 100 mil em unidades de privação de liberdade do Brasil

O número de casos de Covid-19 superou os 100 mil em unidades prisionais brasileiras.

O levantamento foi feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o número leva em conta os registros de infecção de internos e também de servidores de estabelecimentos prisionais e socioeducativos.

O levantamento do CNJ aponta que 90.132 dos casos são em unidades prisionais e 10.505 em estabelecimentos de internação de adolescentes.

Dos 100.637 contaminados, 32.659 são servidores e 67.978 são internos. Em relação às mortes, o número chega a 691 e 390 são de funcionários.

A taxa de novos casos está caindo e nos 15 dias atingiu o menor patamar desde a segunda quinzena de maio, ficando em 1,7%. Naquele período, a variação alcançou 5,3%. Já o quantitativo de mortes segue em alta, superando o nível de crescimento das infecções.

Nos últimos 30 dias, nas unidades prisionais, enquanto o crescimento de contaminações acumulou uma alta de 3,11%, o de mortes ficou um pouco acima de 9%.

Nas instituições socioeducativas, a taxa de novos casos foi de 2,8% e o total de óbitos aumentou 6,4%.

Vacinação Quanto a imunização nestes estabelecimentos, o índice de vacinados teve um crescimento de 48% na última quinzena.

Ainda segundo os dados divulgados pelo CNJ, 366.613 pessoas, entre as privadas de liberdade em unidades prisionais e socioeducativas e equipes, já receberam pelo menos uma dose da vacina.

Desse número, 214.070 são de indivíduos em privação de liberdade, o que corresponde a 28,4% do que estão nesta condição no país, e 152.543, ou 49,6%, são servidores e servidoras.

Testagem Já em relação a testagem, o Conselho Nacional de Justiça indica que 341.859 exames foram feitos para detectar a Covid-19 nos presos desde o início da pandemia e 78.373 em servidores e servidoras.

No sistema socioeducativo, 37.613 adolescentes e 31.234 profissionais das instituições passaram pelo exame de identificação do novo coronavírus.

Comentários

comentários