ONU critica governo Bolsonaro por desdém nas buscas por jornalista e indigenista

POLÍTICA

ONU critica governo Bolsonaro por desdém nas buscas por jornalista e indigenista

Fotos: Reprodução

Jornalista e indigenista estão desaparecidos na Amazônia há uma semana

Publicado em 10/06/2022, às 12h04 – Atualizado às 12h05    Fotos: Reprodução    Redação BNews

A Organização das Nações Unidas fez duras críticas às ações do governo Bolsonaro nas buscas pelo indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips. A ONU não gostou nem um pouco dos primeiros sinais enviados pelas autoridades brasileiras.

Em coletiva de imprensa realizada em Genebra, na Suíça, durante a manhã desta sexta-feira (10), a ONU fez um pedido ao Brasil para redobrar esforços e disponibilizar todos os recursos possíveis para essa operação.

Os dois homens estão desaparecidos desde o início da semana na Amazônia. Britânico, Dom Phillips morava em Salvador com a esposa, que é brasileira.

A entidade lamentou o comportamento das autoridades ao minimizar inicialmente o caso e insistiu que a proteção dessas pessoas é “responsabilidade do estado”.

A porta-voz da agência, Ravina Shamdasani, ainda alertou que está preocupada com os “constantes ataques e perseguições enfrentados por defensores dos direitos humanos, ambientalistas e jornalistas no Brasil”.

Segundo a ONU, o Brasil desdenha das buscas e deu respostas extremamente lentas nesses primeiros momentos, que podem ser determinantes para a vida dos dois.

“Insistimos que o governo precisa empregar todos os meios disponíveis para ajudar a localizar os dois homens. Infelizmente, a resposta inicial foi lenta”, disse Ravina.

Questionada pela imprensa estrangeira, ela voltou a tecer críticas. “As autoridades têm a responsabilidade de protegê-los. Infelizmente, os passos iniciais foram lentos demais. Agora, damos boas-vindas aos passos que estão tomando e esperamos que redobrem os esforços. E que, no futuro, haja uma forma mais robusta para lidar com tais incidentes”, pediu.

Questionada sobre quem seria responsável caso essa demora inicial resulte em danos para as duas pessoas, ela foi clara: “o estado tem a responsabilidade de proteger o trabalho de jornalistas e defensores de direitos humanos. Ele tem obrigação que o direito à vida e segurança esteja protegida e tem obrigação de iniciar investigação e para buscar quem desaparece”, insistiu.

A Polícia Federal prendeu dois homens que supostamente estão envolvidos no desaparecimento. Os agentes detiveram os pescadores identificados apenas por “Churrasco” e “Jâneo” no início da noite desta segunda-feira (06).

De acordo com o jornal O Globo, Bruno Pereira e Dom Phillips desapareceram quando faziam o trajeto entre a comunidade Ribeirinha São Rafael até a cidade de Atalaia do Norte. Eles viajavam com uma embarcação nova, com motor de 40 HP e 70 litros de gasolina, o suficiente para a viagem, e 07 tambores vazios de combustível. Os suspeitos foram levados para a cidade de Atalaia do Norte e estão em poder da Polícia Civil para prestar esclarecimentos.

 

Bnews

Comentários

comentários