General do governo Bolsonaro deixa cargo no GSI

O general Eduardo Villas Bôas deixou o cargo de assessor especial do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, nesta terça-feira (21). A exoneração, publicada no Diário Oficial da União (DOU), atendeu a um pedido do militar.

Ele foi escolhido pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2015, para assumir o comando do exército. O general permaneceu no cargo por quatro anos. Em janeiro de 2019, o militar deixou o cargo para trabalhar no GSI, a convite do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Na sequência, assumiu o cargo de assessor especial na equipe de Augusto Heleno, titular do Gabinete de Segurança Institucional e que também é general da reserva do Exército.

O GSI tem status de ministério e funciona no Palácio do Planalto. O gabinete responde pela coordenação da área de inteligência do governo, ao qual está subordinada a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Segundo o G1, o ex-comandante do Exército sofre de esclerose lateral amiotrófica (ELA), doença neuromotora de caráter degenerativo.

Em dezembro de 2019, ele inaugurou um instituto Instituto General Villas Bôas (IGVB) que possui o objetivo de preservar a memória do militar durante o período no Exército e apoiar pessoas com doenças raras, crônicas e com deficiência.

Polêmica

Também conforme o G1, em abril de 2018, Villas Bôas provocou polêmica por comentários feitos no Twitter na véspera de o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar um habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sem citar o caso, ele fez comentários em “repúdio à impunidade”.

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”, disse na primeira mensagem.

O Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais. Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”, encerrou.

Na ocasião, a declaração foi vista como uma pressão sobre os ministros do Supremo. O então decano da Corte, ministro Celso de Mello, deu, durante o julgamento do habeas corpus, a resposta a Villas Bôas.

“O respeito indeclinável à Constituição e às leis da República representa o limite intransponível a que se deve submeter os agentes do Estado, quaisquer que sejam os estamentos a que eles pertencem.”, disse Celso de Mello à época.

 

 

 

Bnews

Comentários

comentários